29 de mar de 2018

A LEI DA SEMEADURA

Você já ouviu dizer sobre a lei da semeadura? Conhecido também como lei do retorno ou lei do Universo, pode ser explicado como colher o que se planta. Trata-se de um conceito muito difundido aqui no meu país. Mas vamos deixar de conversa e olhar para o que a Bíblia nos diz a este respeito:

Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear,
 isso também ceifará.
Porque o que semeia na sua carne da carne ceifará corrupção; mas o que semeia no
Espírito do Espírito ceifará vida eterna.
E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos,
 se não houvermos desfalecido.
Gálatas 6: 7 a 9.

Para falar sobre esse trecho bíblico, vamos aplicar alguns exemplos práticos:

Uma mãe com o seu bebê resolve deixar tudo em segundo plano para fazer um bom trabalho na educação de seu filho, a fim de construir uma pessoa digna, com boa formação, um bom trabalho, etc. Porém, apesar dessa dedicação ao longo de anos, ao crescer, o garoto resolve entrar por caminhos errados. A mãe sofrendo, então, se pergunta em qual ponto da criação de seu filho errou.

Outro exemplo, é o caso de um estudante que deseja uma carreira que possa lhe render uma vida confortável. Este estudante se dedica buscando boas notas, um estágio numa empresa bem conceituada. Ao longo do estágio passa a focar seus esforços para a ascensão da sua carreira e assim, com o tempo, ele consegue comprar tudo o que um dia sonhou. Em determinado momento, ele percebe que está tão envolvido com os afazeres que não tem tempo para usufruir seus bens e estar com a família. Logo, ele acaba perdendo a esposa, distanciando-se dos filhos, entre outras situações.
Em ambos os casos, houve um tempo de semear segundo o objetivo de cada um. O primeiro tinha em foco formar um bom rapaz, e o segundo desejava uma vida com uma renda considerável. Para chegar à estes objetivos, ambos dedicaram-se construindo em prol dos seus sonhos. E em ambos os casos, não estamos falando de ações ilegais, ou indignas. Mas neles receberam um retorno que não estava programado.

Assim é todo aquele que constrói em busca de qualquer bem ou riqueza na Terra. Coloque o foco da sua vida em algo terreno e você receberá problemas. Quanto mais nos envolvemos nas coisas aqui da Terra, poderemos esperar maiores problemas.

Do outro lado, está alguém que busque Jesus com total sinceridade de sentimentos, e passa a estar mais preocupado em fazer a vontade de Deus do que ajuntar tesouros para a vida.

Essa pessoa precisa estar livre e desembaraçada de qualquer fio que o ligue às coisas daqui. Ou muitas vezes se sentirá em um duelo interno: “gostaria de fazer algo pra Jesus, mas não tenho tempo para isso!” Ora, essas são as consequências de nossas escolhas. Quanto mais optarmos em ter, mais tempo precisaremos para nos dedicar a estas coisas. Sempre há uma escolha a fazer.

Aquele que opta por fazer pelo Reino de Deus, deixa de lado a sua própria vontade. E sobre este eu tenho a dizer que é um homem ou mulher de muita fé. Veja que, quando buscamos algo terreno, já conhecemos os resultados, já vimos um exemplo anterior; já no caso de quem escolhe dedicar-se ao Reino de Deus, essa pessoa nunca viu o seu galardão, nem ouviu sobre as suas características. Tudo o que essa pessoa faz, o faz por fé esperando só na vida eterna.  

Poderia dar a vocês várias ilusões, mas o verdadeiro evangelho não promete bens, não traz grandes recompensas materiais. Se fosse dessa maneira, Jesus o Filho de Deus teria sido um homem muito rico nesta Terra.

O verdadeiro evangelho é aquele que faz você ter o foco no Reino celestial. Com a certeza (mesmo que não tenha visto) de que está tudo preparado e seu beneficio durará por toda a eternidade. Foi assim que Jesus disse:

Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça e nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam, nem roubam.
Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.
Mateus 6 : 20 e 21

  
Que a graça e a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja com todos os irmãos sobre toda a Terra. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amigo(a) do blog, deixe seu comentário

Amigo(a) do blog, deixe seu comentário